Como emagrecer com a dieta do metabolismo rápido

Já tentou de tudo para emagrecer, mas não teve sucesso algum? Sabia que, provavelmente, a culpa é de seu metabolismo? Confira o que fazer para turbinar sua perda de peso com a dieta do metabolismo rápido.

Não é de hoje que se sabe que o metabolismo lento é o principal culpado do insucesso das dietas. Ou seja, de nada adianta fechar a boca, suar litros nas academias, se privar de delícias calóricas se o metabolismo estiver muito lento.

O fato é que a dieta do metabolismo rápido vem ganhando popularidade a cada dia e, principalmente, depois que a atriz Jennifer Lopez confessou que é o seu segredo para manter um corpo impecável aos 50 anos.

A dieta foi criada em 2013, pela nutricionista americana Haylie Pomroy, que lançou o livro Fast Metabolism Diet, baseado em sua própria experiência como nutricionista das celebridades americanas.

O que a dieta do metabolismo rápido promete é animador: menos 10 quilos em 28 dias.

Ok, mas é preciso ter em mente que para atingir essa meta, as regras da dieta devem ser seguidas à risca, o que quer dizer que se deve fazer cinco refeições por dia, comer após acordar (30 minutos no máximo), beber bastante água e consumir só os alimentos permitidos nas listas.

Sem fome ou monotonia

Ideal para quem não gosta de monotonia, na dieta do metabolismo rápido o cardápio é dividido em três fases, com duração de dois ou três dias cada, que são repetidas por 4 semanas (os tais 28 dias), cada uma com um grupo de nutrientes predominantes e uma recomendação da atividade física ideal.

De uma forma geral, a dieta permite comer verduras à vontade e carnes magras, em grande quantidade.

Por outro lado, deve se preparar para abrir mão dos produtos muito industrializados e daqueles com um potencial de provocar processos inflamatórios no organismo, assim como, doces, sucos de fruta, frutas secas, café, refrigerante (normal e zero) e bebida alcoólica.

No final das quatro semanas, esses alimentos podem voltar devagar ao cardápio, embora algumas pessoas ao perceberem o bem-estar ao excluí-los até prefiram abrir mão definitivamente de muitos deles.  Para facilitar este processo e acelerar o metabolismo ainda mais, Sibulmax é o companheiro ideal.

Confira como seguir cada fase:

1ª fase

Para reduzir a secreção do hormônio cortisol, que em excesso aumenta os estoques de gordura, nessa fase, que dura dois dias, é permitida uma dose maior de carboidrato e, por isso, o índice glicêmico é alto.

  • Alimentos permitidos 
    Verduras e legumes (batata-doce e cenoura só em porções moderadas). Abóbora, aipo, abobrinha, alcachofra, alface crespa, aspargo, berinjela, beterraba, brócolis, broto de feijão, cogumelo, couve-flor, inhame, mandioquinha, pepino, rúcula, tomate e vagem.
  • Frutas (três ou quatro porções). Abacaxi, amora, mirtilo, goiaba, kiwi, laranja, limão (taiti e siciliano), maçã, mamão, manga, melancia, melão, morango, pera, tangerina.
  • Proteína animal (porções controladas). Carne vermelha magra (patinho, alcatra, filé-mignon), rosbife e linguiça de frango sem nitrato, frango sem pele, peixe (atum em água, linguado, pescada, sardinha em molho de tomate) e clara de ovo.
  • Proteína vegetal (porções controladas). Feijão, grão-de-bico e lentilha.
  • Grãos e amidos. Arroz integral, aveia laminada sem glúten, leite de arroz sem açúcar, quinua e tapioca

Alimentos proibidos
Gordura. Mesmo as boas.

Exercícios

É indicado, pelo menos, em um dos dias, fazer uma atividade aeróbica (andar, correr, nadar).

2ª fase

É considerada a etapa mais difícil, por ser a mais restritiva. Não permite frutas, grãos e leguminosas. Mas, dura dois dias apenas e as porções de proteína são generosas.

O objetivo é eliminar os estoques antigos de gordura. O cardápio tem um índice glicêmico baixo.

Alimentos permitidos


Verduras e legumes (à vontade). Acelga, agrião, alface roxa, rúcula, alho-poró, endívia, erva-doce, espinafre e pimentão.

Fruta (à vontade). Só limão (siciliano e taiti).

Proteína animal (porções controladas). As mesmas opções da fase 1, mais carne de porco light, carne-seca, cordeiro, tilápia, ostra, peru, salmão defumado e sardinha em molho de tomate.

Alimentos proibidos

Proteína vegetal, amidos, grãos e gordura. Todos os tipos.

Exercícios

Procurar praticar, pelo menos, em um dos dias, uma atividade com peso.

3ª fase

Nessa fase, voltam ao cardápio aqueles alimentos fonte de gordura saudável, as gorduras estocadas e mobilizadas na fase anterior são usadas mais intensamente em forma de energia. Essa etapa dura três dias e tem um índice glicêmico médio.

Alimentos permitidos

Verduras e legumes. As mesmas das fases 1 e 2, mas variando ao máximo as escolhas.

Frutas. Ameixa, amora, coco, água de coco, limão, morango, pêssego, pitanga.

Proteína animal. As mesmas das fases 1 e 2, mais atum em azeite, camarão, carne de porco (lombo), cordeiro, lagosta, lula, ostra, salmão, sardinha em azeite e truta.

Proteína vegetal. Feijão, grão-de-bico, lentilha, leite de amêndoa ou castanha de caju sem açúcar.

Grãos e amidos. Arroz selvagem, aveia laminada sem glúten e pão ou torrada sem glúten.

Gorduras saudáveis. Abacate, azeite extravirgem, azeitona, óleo de coco, homus com azeite, pasta de oleaginosas (amêndoa, nozes, pecã), sementes cruas (abóbora, girassol, linhaça, chia), tahine (pasta de gergelim).

Exercícios

Também é preciso investir, pelo menos um dia, em alongamento, ioga ou outra modalidade que promova o relaxamento, como meditação e massagem.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *